Espaço Fenomenológico-Existencial
 

. La compreension de los sueños  -Un libro de Emilio Romero

Los sueños, lo imaginario y la realidad


     He experimentado en sueños, o en estado de semi sueño, las experiencias más profundas y enigmáticas de mi vida. No busco en la fantasía lo que la realidad no podría proporcionarme. Simplemente desconozco las fronteras que las separan. Los sueños me invitan a una permanente aventura por sus sendas imprevisibles, sobre todos los que permanecen al margen de la ley.
 En sueños he transgredido todas las prohibiciones de la ley mosaica, y gozado las proezas más insólitas, como volar a voluntad como un cóndor sediento de espacios infinitos. De cada noche recuerdo uno o dos sueños, que me ofrecen como un diagnóstico de mi momento vital en sus tres dimensiones temporales ineludibles. Puedo eludirme con una persona que inspira mis atenciones o con un desafío que me entusiasma, pero un sueño me muestra la doble faz de toda propuesta humana. Su lado positivo y su lado negativo.
   Esta es una de las características del mundo onírico: nos muestra en sus escenarios las fantasías más insólitas y absurdas y al mismo tiempo nos proporciona las pistas más tangibles de nuestra realidad, esos límites que se imponen en la vida práctica y que frenan nuestra imaginación.
Los sueños son una de las experiencias humanas más intrincadas y enigmáticas. Traducen y reflejan la propia complejidad y el misterio de nuestra vida. A pesar de ser una actividad diaria, que acontece en estado de sueño, nuestro conocimiento es bastante incierto e hipotético. Es cierto que todos los modelos de de psicoterapia han propuesto algunas formas de análisis, pero la terapia gestáltica y el psicoanálisis son las más difundidas. Expongo aquí los principios que guían el trabajo terapéutico según un modelo comprensivo de abordar esta expresión de la existencia.
  Comento algunos principios básicos que permiten comprender lo más propio de la producción onírica, sus relaciones con la personalidad y sus conexiones con el mundo de la persona, de su configuración afectiva y de los modos de relación interpersonal. Recuerdo que el método comprensivo es propio de las ciencias humanas; su objetivo es establecer el significado y el sentido de los fenómenos humanos tal como son vividos por la persona y tal como se manifiestan en las obras y producciones culturales creadas por la actividad del hombre. Se distingue de los métodos explicativos que buscan las causas o factores determinantes de un proceso, de un fenómeno, de un síntoma o enfermedad, e inclusive de algunos comportamientos; son los métodos propios de las ciencias naturales.
 Los métodos de las ciencias humanas son de tipo cualitativo; los de las ciencias naturales tienden a ser predominantemente cuantitativos, al menos de tipo estadístico. Tres métodos son ampliamente usados en un enfoque cualitativo: el fenomenológico, el hermenéutico, el modal-comprensivo y el dialéctico. Vale destacar que en un enfoque comprensivo no se ignora o desconoce la validez de los enfoques cuantitativos ni de los hechos en que tanto insisten sus promotores. Se insiste, eso sí, en que los hechos y eventos precisan ser interpretados para que adquieran sentido.
  Mi enfoque es de tipo fenomenológico, es decir, procura captar lo más propio de los fenómenos presentes en el escenario y en la dinámica de los eventos oníricos. Pero no me limito sólo a este método; lo fenomenológico explica determinadas relaciones hombre-mundo, que es un elemento inicial imprescindible; parte del principio de intencionalidad que es una característica de la consciencia: significa que ser consciente implica la referencia a un objeto, evento o situación que está en el mundo, fuera de la consciencia. En determinados casos recurro a mi concepción de las modalidades del método comprensivo como otras formas de dar cuenta del acontecer vivencial reflejado en el escenario onírico. La aplicación de estas modalidades da acceso a un enfoque hermenéutico, es decir, a una interpretación de los fenómenos que se conecte con el todo de la personalidad y del mundo personal, especialmente desde la perspectiva de su historia, de las peculiaridades vividas, sus contradicciones y de las intenciones que orientan sus objetivos. Lo vivido, la perspectiva histórica genética, la intencionalidad de la praxis y sus contradicciones y sus objetivos adquieren su elucidación una vez que explican la situación y las condiciones de su existencia.
  Todo sueño refleja momentos de una vida, conectando las tres vertientes del tiempo. Esta es una peculiaridad de toda vivencia entendida como padrón flexible de experiencias asociadas por afinidades afectivas y tendenciales. Las vivencias agrupan experiencias diferenciadas por su flecha direccional y por rasgos peculiares, pero todas ellas están impregnadas del factor afectivo, inclusive las más intelectuales
 La aplicación de estas modalidades da acceso a un enfoque hermenéutico, es decir, a una interpretación de los fenómenos que se conecte como el todo de la personalidad y del mundo personal, especialmente desde la perspectiva de su historia, de las peculiaridades vividas, sus contradicciones y de las intenciones que orientan sus objetivos. Lo vivido, la perspectiva histórica genética, la intencionalidad de la praxis, sus contradicciones y sus objetivos adquieren su elucidación una vez que explicitan la situación y las condiciones de su existencia.
  Todo sueño refleja momentos de una vida, conectando las tres vertientes del tiempo. Esta es una peculiaridad de toda vivencia entendida como padrón flexible de experiencias asociadas por afinidades afectivas y tendenciales. Las vivencias agrupan experiencias diferenciadas por su seta direccional y por rasgos peculiares, mas todas ellas están impregnadas del factor afectivo, inclusive las más intelectuales. Experiencias religiosas, políticas, estéticas, sexuales, profesionales, de precariedad o prosperidad material, son caracterizadas por su seta direccional, su telos –y todas ellas son evaluadas y sentidas por su fondo afectivo. Las seis modalidades de la comprensión destacadas por mi emanan y son influenciadas por este fondo endotímico –como gusta decir Lersch. 
  A través de ejemplos ilustrativos muestro como opera el análisis de los sueños, la forma de ir captando su sentido por parte del soñador y la resonancia que este saber proporciona a la ampliación de su consciencia y su mundo personal. Muestro como en ellos se expresa lo más constante de nuestro mundo personal, de sus realidades cotidianas y como también se conectan con las más complejas vivencias que urden la trama afectiva de nuestra historia.  Las dos grandes fuentes de lo imaginario y de la creatividad, siempre asociados, están operando en ese teatro del absurdo que vivimos todas las noches, y también todos los días en estado de vigilia. Lo imaginario y las realidades más crudas allí están presentes.
El concepto de realidad goza de una innegable respetabilidad en el criterio del sentido común. En una primera impresión lo real se nos presenta como configurado de una cierta manera, es fácilmente aprehensible, se muestra como hecho irrefutable, consistente, objetivo, con frecuencia indudable. Lo real deriva del latín res= cosa, es la cosa, eso que está a nuestro alcance, creado, fabricado por el hombre. Las cosas y los hechos son entendidos como las realidades indiscutibles.  No obstante, si pasamos de la mera impresión para un examen más atento de lo real y de la llamada realidad vemos que comienza a perder su consistencia, que no es un criterio seguro de la verdad, que está muy subordinado a la perspectiva, al ángulo desde el cual el hecho sea evaluado. En la vida cotidiana tiene validez, nos sirve para dar cuenta de nuestras tareas y rutinas, mas en un nivel más acucioso de conocimiento mucho de lo que tomamos como realidades pierde buena parte de su supuesta evidencia, de su valor demostrativo.
     Las realidades y lo imaginario están entrelazados de tal manera que resulta difícil discernir uno del otro. Esto es particularmente cierto en el mundo de los sueños. En una impresión acrítica, ingenua, este es un universo irreal, un teatro de invenciones que aún mostrando aspectos de la vida común de las personas están demasiado mezclados con figuras de lo absurdo y de lo extraño, en consecuencia, poco nos enseñarían de nosotros mismos. Sin embargo, si examinamos de manera rigurosa y de acuerdo con criterios fenomenológicos confiables los sueños nos ofrecen un diagnóstico que refleja los aspectos más significativos de nuestras realidades, o mejor, del mundo que protagonizamos. 
   Comento el enfoque de Medard Boss sobre este mismo tópico cuyo abordaje Daseain-analítico es similar, en algunos puntos, a mi propuesta. También considero las tesis de otros autores como es el caso de Ernest Rossi, un terapeuta que define su método como de psico-síntesis, que recoge las contribuciones de la Gestalt y de Jung, principalmente. Jung es mencionado como una de sus fuentes. “El principio básico de la psico-síntesis indica que cualquier aspecto de la experiencia fenomenal (una emoción, una preocupación cognitiva, un bloqueo en el desenvolvimiento, características de personalidad, etc.) que puedan ser visualizado es envuelto en una trama imaginativa puede de esta forma ser transformado”. (pág.218). Postula que os ejercicios de la imaginación estimulan el sentido de libertad, de auto-expresión, de creatividad.

  En estas páginas esbozo las líneas generales de una hermenéutica que permita comprender tanto la personalidad, entendida como el conjunto de características personales estructuras y configuradas, como de la persona como se en-el-mundo, como la trama existencial que diseña nuestra figura humana en un complejo de relaciones. Para tanto hago una breve exposición de la personalidad en términos de vectores y factores, que caracterizan los rasgos fundamentales de la persona. En seguida comento de manera breve la existencia como ser en-el-mundo, que es una idea diferente a la propuesta hecha por Heidegger, como se verá en el capítulo correspondiente. Toda hermenéutica considera el tema de su investigación en una perspectiva histórica. Esto implica que estudiar a la persona conforme esta exigencia significa atenerse a su historia personal. Esta hermenéutica incluye la comprensión de os sueños en tanto ellos expresan aspectos básicos del mundo personal.

 

 



Escrito por Emílio Romero às 17h07
[] [envie esta mensagem] []


 
 

JUAN DIEGO DUQUE MARTINEZ, Patricia Lasso y Johnny Orejuela


   FUNDAMENTOS EPISTEMOLÓGICOS DE LAS PSICOLOGÍAS
        – con énfasis en psicología transpersonal
   Editora Universidad de S. Buenaventura –Cali, 2012, 210 pág.

Un libro instigante y provocativo
Juan Diego Duque, Patricia Lasso y Johnny Orejuela acaban de lanzar este libro esclarecedor de un tema poco y mal abordado en el curso de formación de los psicólogos: las cuestiones fundamentales de la epistemología que caracteriza y fundamenta a cada una de las escuelas orientadas por una visión humanista, comprensiva y existencial de la vida humana.
  Es un libro que esa algo más que un manual introductorio al tema  propuesto en el título. Su propuesta ha sido proponer algunas categorías de análisis que incluyan los  características centrales de cada enfoque permitiendo de esta manera comparar sus puntos en común y sus diferencias. Estas categorías proporcionan el marco de referencia  para apreciar las  peculiaridades de cada escuela. 
   En la primera parte,  los autores exponen algunos puntos en discusión en  el campo  epistemológico en  psicología, en particular sus relaciones con  la ciencia y la filosofía. Con Piaget concluyen que “la epistemología no es un asunto de definiciones a priori sino el resultado de una construcción” .  Luego comentan lo que ellos entienden como las premisas, que son los temas recurrentes y persistentes presentes  en los cuatro modelos predominantes en nuestra ciencia: la coexistencia de diferentes psicologías; b)la influencia recíproca entre los modelos propuestos; c)la consistencia interna de las psicologías, d) la validez relativa de las psicologías, etc.
  En esta misma parte explican los criterios de análisis que son las categorías que les permiten caracterizar los rasgos fundamentales de los quatro modelos de psicología propuestos estos  des el siglo XX hasta hoy:
-la psicología psicoanalítica, que coloca en el inconsciente los procesos que direccionan las elecciones y los conflictos humanos
-la comportamental o clásica 
–la cognitivista centrada en la importancia del conocimiento, que tiene a Piaget su figura más descollante.
– la comprensiva humanista-existencial, que centraliza el drama humano en las características más originarias de su ser y en su capacidad para transformar la naturaleza mediante la acción y las actividades.
-  Por último enfocan el modelo que los autores consideran el más  abierto a nuevas perspectivas derivadas de la actual fase del conocimiento científico: el modelo transpersonal, o  lo que algunos autores denominan lo transcendente revelado y realizado mediante la ampliación de la consciencia de sí.
  El cap. 2 ofrece un resumen de las 9 categorias de análisis que permiten caracterizan a los cinco modelos:
1. El contexto histórico social, que permite situar el enfoque en su momento histórico, indispensable para entender contra qué y en pro de qué surge. Para que algo se presente como una nueva propuesta debe estar contra cierto orden vigente, de lo contrario es simple cacareo por un huevo.
2. El contexto disciplinar: expone los avatares del enfoque en el momento de su surgimiento y las figuras que suscitaron las cuestiones básicas
3. La concepción de la realidad – Hay discrepancia serias sobre lo que vamos entender por realidad. Algunos piensan ikngenuamente que la realidad es el mundo de las cosas (res, en latin), que son lo real por excelencia, pero eso es muy poco. Otros piensan que la realidad es algo meramente construido y dao por tal según cierto consenso, y por ahí roda el mundo.
4. Corrientes de referencia – Las filosofías dominantes en una determinada etapa tienden a ser acogidas como las más apropiadas para cada enfoque. Tanto el psicoanálisis como el behaviorismo siguen las pistas básicas del positivismo, pero Freud presente también modos dialéctico de concebir las cosas. El Humanismo existencial sigue líneas de cuño ontológico pero ya retomados en el plano de lo experimentable, observable, configurado siquiera como fenómeno, que es un concepto fuerte en este modelo. Acoge el pensamiento dialéctico como uno de sus métodos.
5. El modelo de ciencia física que da cuenta del universo y de los procesos materiales.- Hasta ahora los diversos autores no habían dado suficiente destaque a este punto, pero con el cuestionamiento de la física clásica y su influencia en la manera de concebir el método y al propia realidad hubo un cambio significativo. La psicología transpersonal que orienta a los autores se apoya precisamente en las incertezas que reinan en la propia física, entendida como la reina de todas las ciencias.
6. La concepción de ser humano que postula el enfoque. Cada enfoque presenta algunos postulados con respecto a lo que más distintivo del ser humano. Tanto el psicoanálisis como el comportamentalismo lo entienden como un ente natural transformado por un proceso de socialización y culturación. Nada más. Los autores destacan la influencia de algunos pensadores como Schopenhauer y Nietzsche sobre Freud. Citan el escrito del filósodo “Sobre el amor y la muerte” como el precursor de la tesis freudiana de los dos impulsos: Eros y tánatos. Recuérdese que el centro de las pulsiones es el Ello, el eso, un núcleo mal definido, inconsciente que comanda la usina mental.
 Los otros enfoques, sin descartar la importancia de la naturaleza como substrato del hombre, afirman la importancia de los rasgos ontológicos básicos, como son la temporalidad, la transcendencia, la libertad, la consciencia de sí como un ser arrojado en el mundo, la inquietud movilizadora, la distancia perpetua de sí, etc.
7. El objeto de estudio – Cada enfoque privilegia determinados aspectos del psiquismo, de la conducta y del modo de crear las condiciones de existencia.
8. La psicogénesis  - Se refiere a los factores psíquicos que motivan el comportamiento o configuran las vivencias. Las pulsiones son los motores en Freud; los condicionamientos y los refuerzos en el behaviorismos; la formación y organización del conocimiento en el cognitivismo; las constantes vivenciales e y las formas de la comprensión en el humanismo-existencial. La transcendencia y los factores de integración holística en el enfoque de los autores.
9. El método –Cada abordaje privilegia algún método y algunas técnicas. Freud prefería el análisis de lo pulsional y lo inconsciente y la asociación libre y las chaves de los simbólico como técnicas. En humanismo comprensivo ofrece propones las diversas modalidades de la comprensión, la fenomenología y los dinamismo dialécticos. De acuerdo con los autores, la psicología transpersonal usa como métodos la meditación, la respiración consciente, la vibración inducida (¿). Yo agregaría el Sueño Acordado Dirigido propuesto por Desoille según supuestos junguianos en su primera etapa, y pavloviano en la segunda etapa. Yo mismo he propuesto una variante de sueño acordado.
En resumen: libro muy útil para estudiantes y estudiosos de la psicología, Muy bien elaborado, con conceptos claros y planteamientos orientadores.  
                                           Emilio Romero, psicólogo clínico. São Paulo, Abril, 2012

 



Escrito por Emílio Romero às 14h54
[] [envie esta mensagem] []


 
 

  -Desde México:

            "PERPECTIVAS EN PSICOTERAPIA EXISTENCIAL" , 380 pág. Ediciones LAG. México

ESTE es UN LIBRO ORGANIZADO por Yaqui Andrés Martínez y Susana Signorelli, dos figuras bien conocidas en el campo de la psicología comprensiva-existencial. La selección de los participantes fue muy acertada siendo cada uno de ellos representantes de sus respectivos enfoques, que tienen en común el hecho de compartir los postulados, principios y métodos de la psicología Comprensiva, humanista y existencial, apenas con algunas diferencias en los fundamentos filosóficos y en el acento que ponen en los temas de psicoterapia abordados.

-  Yaqui Andrés muestra claras preferencias por la escuela inglesa y por Irvin Yalom, que han sido sus mestres en un periodo de su formación. La escuela inglesa está bien representada por Emmy van Duerzen y Ernesto Spinelli, cuyas tesis principales  son expuestas con claridad y fidelidad. Lo mismo hace Yaqui con respecto a Yalom que gana un capítulo especial, muy bien merecido en razón de ser un hombre brillante, figura bien cotizada en nuestro campo. Es una pena que Yalom se haya limitado al plano psicoterapéutico, no registrando estudios sobre áreas importantes de la psicología. Esta es igualmente una objeción a la mayoría de los colegas identificados con el análisis existencial. En compensación, esta vez Max Jimenez comenta los aportes básicos de la psiquiatría alternativa inglesa tan bien representada por R. Laing, que generó todo ese fantástico movimiento en favor de los recluidos en los manicomios, llegando a cuestionar los fundamentos mismo de la psiquiatría.

-  Susana Signorelli expone la psicología existencial representada por Pablo Rispo, la principal figura del enfoque en Argentina, cuya obra comienza a ser mejor conocida gracias al trabajo de sus discípulos, uno de los cuales es precisamente Susana, quien tiene el talento  como para llevar más lejos aún el trabajo de Rispo. En un artículo bien elaborado  nos expone una síntesis de la obra rispiana. Yo diría que Rispo y  los escritos de Emilio Romero son las contribuciones en este Continente más originales que circulan en nuestro medio. Los dos hicieron  sus aportes basados en propia experiencia, aunque no desconocen la importancia de autores anteriores, como es el caso de Binswanger en Rispo, y de Nietzsche en Romero.

-  La obra de Romero abarca la mayoría de las áreas de la psicología, desde los fundamentos teóricos de una abordaje comprensiva hasta una teoría general de los afectos y de la personalidad -tres temas indispensables en una propuesta de fundamentación de un enfoque amplio y organizado en términos de una concepción general. En este libro está presente su abordaje de la terapia, que es un resumen de algunos aspectos considerados en un libro mayor "Neogénesis - El desarrollo personal mediante la psicoterapia" 2001.

-  El texto de Alberto de Castro versa sobre la escuela norteamericana, representada especialmente por Rollo May, Bugental y Kirk Schneider, tres psicólogos bastante difundidos en nuestro ambiente.

El prof. Castro había ya presentado la obra de May en un libro anterior; en esta ocasión expone los otros dos. Vale destacar que tanto estos tres autores como Yalom enfatizan la importancia tanto del deseo como de la voluntad. El tema del deseo es poco destacado por los existencialistas, siendo el tema favorito de los freudianos. Y el de la voluntad esta casi olvidado por los modelos de psicología académica oficial. La voluntad es ciertamente un fenómeno que no se deja coger fácilmente en la trama de los conceptos, pues está estrechamente vinculado al yo, sea como su auxiliar, sea como su señor. Tiene que ver con la decisión, el querer y el deseo; y con la libertad .Hasta los filósofos más en voga hoy prefieren ignorar este fenómeno, con excepción de Hanna Arendt e Ricoeur.

-  Felipe Miramontes expone la Logoterapia, una de las corrientes terapéuticas con más seguidores en nuestro continente. Su fundador tuvo la fortuna de relacionarse con los grandes patriarcas de la psicología y del análisis existencial y tuvo la feliz ocurrencia de dar una orientación más amplia a los modelos en voga (destaca lo espiritual en sentido amplio, lo noético), exponiendo sus principios sin el exceso de sofisticación conceptual  de los pensadores existencialistas. Estas son dos razones de su difusión. Hay ciertamente otras, que Miramontes mira con especial atención.

-    Un autor menos frecuentado actualmente es Eugenio Minkowski. S. Signorelli y Teresa  Glikin comentan las tesis substantivas de este maestre polonés, cuya obra en el campo de la psicopatología ya tuvo fuerte resonancia. Vale recordar que sus ideas han influenciado las concepciones de  Rispo y Signorelli. Esta influencia se deja sentir en el énfasis colocado por Minkowsky en las relaciones afectivas y en las relaciones yo-tu-nosostros. Susana y Teresa  hacen un resumen inteligente de las principales tesis de este autor sobre la esquizofrenia, sobre los afectos y el encuentro humano, temas centrales en la obra de Minskowski.

 -  El profesor Alejandro Unikel Spector comenta los puntos centrales de la obra de M.Boss, uno de los más fieles seguidores de Heidegger, autor de uno de los mejores libros sobre los sueños en un enfoque Dasein-analítico. Vale destacar que el asunto sueños no ha recibido la debida atención de los psicólogos, dejando este tema en manos de los psicoanalistas.

-  Finalmente Esperanza Abadjieff  caracteriza los temas más frecuentados por L. Binswanger, cuyo caso sobre Ellen West ha suscitado tantos comentarios.

 

    Hubiera sido indicado que el libro incluyese algunos estudios clínicos. El único caso presentado es la mención de Ellen West. Sorprende que Romero no haya discutido por lo menos un caso clínico, pues ya publicó todo un libro sobre la biografía de 7 casos. Es estudio de un caso nos da una buena introducción demostrativa de cómo un autor aplica los principios teóricos que orientgan su trabajo.

 

                                     Francis Nóvel –psicólogo,

                                       Brasil Febrero 2012

 

 

 

 

 

 

 



Escrito por Emílio Romero às 16h31
[] [envie esta mensagem] []


 
 

Emilio Romero é psicólogo clínico, social e  professor universitário.

Tem publicado 20 livros de psicologia, enfocando as 6 grandes áreas desta ciência.

Tem escrito também obras de ficção literária, contos e romances, principalmente.

emiliorom@terra.com.br

www.editoradellabidia.com  

 



Escrito por Emílio Romero às 16h15
[] [envie esta mensagem] []


 
 

NOVOS LIVROS RECEM PUBLICADOS PELA   DELLA BÍDIA  EDITORA

 “APARENCIAS E DISFARCES DA REALIDADE: o que  SE MOSTRA E SE OCULTA

NAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS E SOCIAIS”,  DE Max  NOLDEN

             Edição tanto em português como em espanhol

 

   Abordo nestes escritos os temas mais freqüentes de nossa vida cotidiana e das propostas que orientam nossa ação. Abordo estes assuntos mostrando sua configuração desde diversos pontos de vistas, mas sobretudo na sua dupla face, pois todas as coisas implicam em si mesmo tanto aspectos positivos como negativos. Os fenômenos mais apreciados pela imensa maioria apresentam seu lado negativo. Assim acontece com a riqueza, a beleza, o poder, o fama, a inteligência superior, e até a juventude. Estes seis grandes ídolos do desejo sempre procurados, têm também seu lado perigoso, inconveniente. E os opostos destes ídolos, que todos gostariam desconhecer, apresentam aspectos positivos..

   Acentuo a dupla face contraposta dos fenômenos e também suas diversas facetas. Fenômenos como a homossexualidade e a democracia podem ser consideradas desde o ponto de vista dos indivíduos que dizem praticar estas propostas, mas também desde a perspectiva, moral, religiosa, política, psicológica, etc. O fato que acentue uma faceta não indica que ignore as outras.

   Examino os diversos temas tendo em vista tanto facilitar o conhecimento de si enquanto pessoa como os diversos fenômenos que formam o tecido social do sistema econômico no qual estamos inseridos. Não basta o autoconhecimento nem tampouco o mero conhecimento da realidade exterior. Sempre se insiste em que somos uma unidade indissociável de fatores bio-psico-sociais, mas raras vezes se leva em conta com rigor esta premisa básica.

                                                                                                 Max Nolden

Basta ler o índice deste livro para ver que Nolden examinou os temas cruciais que circulam no espaço social e formam o que se costuma chamar de realidades, embora geralmente sejam estas supostas realidades mais ilusórias do que verdadeiras, meras aparências bem maquiadas para  encobrir o que não convêm mostrar. As aparências como dissimulação e encobrimento do que são propriamente as coisas e fenômenos é, em parte, algo propositado, que obedece a os interesses em jogo de uma pessoa ou dos grupos. Tenta-se enganar para obter alguma vantagem, mas também as pessoas se enganam a si mesmas, não apenas aos outros. Mais ainda: muitas não sabem discernir o verdadeiro do falso, o genuíno do falsificado, a fachada do que há por detrás. Também o predomínio das aparências se deve ao encanto que muitas ilusões exercem sobre a mente. 

Este livro é um verdadeiro tratado sobre a suspeita e o arte do desmascarar, arte que encontra em Nietzsche um de seus mestres e que Nolden faz extensivo inclusive aos aspectos mais subjetivos da existência humana, não apenas às relações sociais.

                                                                              Felipe Galeno – escritor

 

Como distinguir a essência da mera aparência, o real de suas falsificações? Como entender que o sistema social como um todo se sustenta, em grande parte, no emprego sistemático do engano e dos mais diversos truques para manter seu próprio funcionamento?  Até que ponto podemos ser autênticos num mundo que precisa inclusive da ilusão e da mentira para agüentar a dura realidade que configura grande parte de  nossa vida com suas normas, suas imposições e arbitrariedades, suas injustiças, boa parte de nossa vida?

Estas e outras questões são examinadas neste novo livro de Nolden. Porem, não apenas examina os lados negativos de nosso mundo; também ilumina seus lados positivos e oferece alguns instrumentos para não ser vítimas dos espertinhos que tentam impor sua lei. Saber é compreender. Compreender  é apreender as realidades em suas verdadeiras relações.

                                                                                        Ulises  Barmaimon - Escritor

                                                                          



Escrito por cea.craveiro às 10h02
[] [envie esta mensagem] []


 
 

A Questão das Negatividades da

Vida e a Autenticidade

 

 

A tese dialética que o positivo coexiste e supõe o negativo é uma das idéias mais esclarecedoras e fecundas na história do conhecimento. É uma tese,  aliás, até evidente por si mesma que se formula no plano do saber comum das mais diversas maneiras, embora rara vez se tirem todas as conseqüências  dela. Escreve-se e ouvimos dizer: - a luz supõe a escuridão - o grande só existe em relação ao pequeno, ou menor - só há  ricos onde há  pobres -  o prazer  nada seria sem o desprazer, ou na sua ausência -o êxito não consegue esconder o fracasso - a racionalidade e o irracional são inseparáveis -  e muitas expressões mais. Estas são as polaridades que nós amenizamos levando-as para pontos intermédios, que ora acentuam um lado, ora outro -mais pobre que rico, mais inteligente que tolo, nem inteiramente honesto, nem completamente desonesto.

Contudo, existem certas negatividades que parecem igualmente amenizáveis mas nunca superáveis, pois estamos constantemente sentindo sua presença ou circulando pelas sendas que elas impõem.  São negatividades que nos afligem num grau variável, segundo a situação e as circunstanciais, levando a muitas pessoas ao desespero, à depressão e a uma visão muito pessimista da vida. Talvez você esteja pensando em alguns fatores que afligem a tanta gente -a pobreza, a doença, a injustiça, as veleidades da sorte. Todos estes fatores influem de modo ostensivo, mas não estou referindo-me a estes males. São negatividades que entendemos como inerentes à existência humana, que a riqueza, a saúde e os favores da sorte não erradicam, embora amenizem. Eu diria que são sete negatividades que nos acompanham sempre, as vezes roendo-nos a carne, as vezes roçando-nos a pele. Aliás, nem sempre nos apercebemos de sua companhia. São como fantasmas, inclusive no sentido implícito de todo fantasma: são como ficções reais, como realidades fictícias. Estas negatividades, ademais, não são pura negatividade, pois também carregam uma dose de positividade -que de alguma maneira favorece o movimento da vida. São por todos nós muito conhecidas: -a perda   -o fracasso  -a solidão  -a morte  -a incomunicação  -o absurdo  -a angústia.

São negatividades radicais -radicais no sentido que estão na raiz mesma de nossa vida. Ninguém escapa delas, embora nos afetem num grau variável segundo seja a estrutura da pessoa - segundo seja sua capacidade para assimilar os elementos tóxicos. Muita gente nem sequer quer pensar nestes fantasmas; preferem acreditar que são simples miragens da mente, simples momentos passageiros. Outros sabem que não como escapar inteiramente deles, que o melhor a ser feito é saber conviver com eles.

 Eu diria que estes últimos são as pessoas autênticas: aqueles que aceitam o que a vida é, sem necessidades de enganos e mistificações. As aceitam até com bom humor, ou apenas com serenidade; nunca tentando ignorá-las. Fala-se muito em autenticidade, dizendo que este tipo de pessoas não apelam para a duplicidade nem se escondem numa fachada de bela aparência. Acredito que são traços distintivos de indivíduos autênticos; apenas digo que aceitar estas negatividades, encarando-as com serenidade, é ainda um traço mais importante. Vejamos todas elas num espaço mínimo. Sobre cada uma delas se tem escrito livros que esquadrinham seus mais variados  aspectos. * -No percurso de uma vida as perdas são inevitáveis; não me refiro às perdas materiais apenas. Estamos perdendo algum bem sempre. Perdemos crenças, valores, além de amigos e seres queridos. Perdemos a juventude, as ilusões construtivas e estimulantes. Vamos perdendo a cada instante a vida, pois a morte habita no coração mesmo de nosso ser. Os existencialistas falam do nada como a contrapartida inevitável do ser, mas o nada é a matéria invisível da qual está feita a morte. *

-A  morte nos preocupa quase sempre, mas não a levamos a sério, salvo quando entramos num período depressivo ou nos casos que nos deparamos de frente com a eminência do fim (doença grave, acidente, falecimento de um ente amado). Depois dos 40 começamos a perceber sua sombra; com o passar dos decênios vai adquirindo corpo, ocupando espaço em nossa vida. Chega um momento que nos deitamos com ela, sem saber se no dia seguinte já se apossou por inteiro de nosso espírito e de nosso corpo. Somos mortais; rara vez nos apercebemos da importância deste fato tão simples e tremendo; por sermos mortais  o brevíssimo lapso de tempo no qual transcorre nossa vida se torna precioso. Se vivêssemos indefinidamente ou por milhares de anos tudo seria diferente; tudo aconteceria com a lentidão da tartaruga (que vive o dobro da espécie humana); talvez fossemos como esses homens-animais que descreve Jorge Luis Borges num de seus contos, que por viverem milhares de anos já nada mais tinha importância para eles. Talvez se tinham tornado imortais, entrado na roda do intemporal e, em conseqüência, a vida carecia de qualquer objetivo. Não existia para eles nem sucesso nem fracasso, simplesmente porque tudo já era o mesmo. * -Talvez não exista fantasma que nos cause maior embaraço e dissabor, levando-nos inclusive à vergonha e ao desvalor, quando entra em nossa casa: o fracasso. O fracasso delata, na percepção da pessoa e dos outros, a incapacidade e a inépcia. Poucos são os que admitem um fracasso revelando a frustração decorrente dele. Tolo engano. A verdade é que em quase todos os empreendimentos de valor os resultados ficam quase sempre bem aquém das expectativas e do esperado. Uma parte considerável de nossos objetivos não se consegue. Não sentimos o malogro em parte porque nos conformamos com a parcela conseguida, em parte porque não estamos dispostos a admitir o fracasso relativo. Racionalizamos.

A história dos chamados triunfadores é geralmente um mito. O sujeito até ganhou muito dinheiro ou conquistou a fama, mas não se curou de seus medos e de sua neurose. Lembre-se dos casos de Marilyn Monroe e de Michael Jackson -dois exemplos nada excepcionais. São os paradigmas gritantes do sucesso e do fracasso. Só quando o sujeito não deseja ter  nada , ou apenas o suficiente, a dicotomia sucesso-fracasso  acaba. * -Os psicólogos não se cansam de enfatizar o lado positivo da solidão. Jadir Lessa, em livro recente, sublinha este ponto: ela nos leva a um maior contato com nós mesmos, permitindo-nos uma consciência mais profunda de nossa radical identidade como sujeitos únicos, agentes e pacientes de nosso destino. Assinala igualmente seu lado negativo: a impossibilidade de uma comunhão permanente com o outro, por acima das inevitáveis contingências interpessoais. Aponta também  a questão da incomunicação que, ao tornar-se ostensiva, acentua o sentimento de solidão -sentimento experimentado de modo lancinante nos períodos depressivos e nos momentos das grandes decisões, que só ao sujeito corresponde fazer sob sua inteira responsabilidade e liberdade. De qualquer maneira, o sentimento de solidão como decorrência da consciência de não contar com ninguém é um dos maiores fracassos humanos. *

-A comunicação é um dos temas de nosso tempo, trilhado e manuseado. Vivemos na época da comunicação eletrônica e da pobreza da comunicação humana. A quanto maior comunicação eletrônica, menor comunicação humana -este parece ser o princípio. Mas não  se pense que a incomunicação  é um fenômeno apenas de nossa época. A verdade é que  quase sempre predomina a pseudo-comunicação. Na vida cotidiana a comunicação interpessoal se mantém  num plano funcional e instrumental. A famosa comunicação eu-tu, que tanto valorizou Martin Buber, é excepcional. A incomunicação não é uma simples conseqüência de um mal uso do código lingüístico. Deriva em grande medida  da intenção comunicativa dos interlocutores e da atitude que orienta o processo comunicativo. Se a atitude predominante é de tipo funcional e instrumental  à outra pessoa interessa muito pouco. Se a intenção é usar ao outro como um mero meio para fins pessoais então o mais propriamente humano se perde ou passa para um lugar secundário. Por outra parte, a comunicação verdadeira se dá mediante o diálogo e o diálogo supõe que os interlocutores saibam escutar -o que é uma atitude pouco comum. Este é um tema muito complexo, que já provocou muita pesquisa, mas todas elas concluem que embora o homem esteja inserido em redes relacionais, continua sendo, em grau apreciável, uma ilha  -desmentindo ao poeta John Donne. *

 -Basta observar alguns aspectos do sistema social e da história humana para concluir com uma idéia que Shakespeare pois na boca de Macbeth, apenas tirando um pouco a radicalidade de seu enunciado: a vida é um absurdo, uma história contada por um idiota, entre o estrépito e a fúria. A história nos parece uma luta sórdida pelo poder entre os que estão nas esferas de comando, com as piores conseqüências para os que estão por baixo. A injustiça e a violência, a prepotência e a brutalidade são demasiado freqüentes como para que as consideremos apenas uma mancha menor no cenário da evolução humana. Isto no nível coletivo. Como fica a história individual? É verdade que nós sempre descobrimos uma certa lógica em nossa trajetória vital. Chegamos ao ponto E mas primeiro passamos por todos os anteriores numa seqüência  compreensível, pelo menos nas suas linhas gerais. Entretanto, por muito linear que seja nosso percurso existem pontos de ruptura, reações estranhas, viradas surpreendentes, conflitos e impasses, nódulos obscuros. Tudo isso nos resulta difícil de entender. Nos comportamos de modo estranho que, já passados os eventos, nos parecem absurdos e inacreditáveis. Como chegamos a pensar em suicídio -e, outras vezes, em assassinato- simplesmente porque o objeto de nossa paixão nos deixou desolados no muro das lamentações? Não demoramos a perceber que o irracional está tanto fora quanto dentro de nós.

* -Preciso referir-me à angustia? Soren Kierkegaard foi o primeiro que nos ensinou o lado positivo desse estado de espírito. Precisamos de uma certa dose de angustia para manter  um nível de vigilância e de procura  -do contrário  nos mantemos num conformismo mole e paralizante. Esta é a angústia existencial (ou real), correlativa da liberdade própria do ente humano. Somos livres e por esta razão somos responsáveis; e por sermos responsáveis nos angustiamos. Responsáveis perante Deus (se você acredita num Ser Supremo), perante  o próximo e perante nós mesmos. Esta é uma das fontes básicas da angústia. Há uma outra: nunca estamos inteiramente predeterminados (como querem os deterministas). Sempre há uma margem considerável  de incerteza. Por esta abertura ao futuro entra a insegurança -um fator associado e disparador da angústia. Existem outros tipos de ansiedade (outro nome para o mesmo fenômeno). No tipo neurótico o sujeito vive com o sentimento constante de ameaça e de vulnerabilidade, precisando de uma série de mecanismos e truques para amenizar e afugentar esta vivência que o dilacera. Na reação de pânico a pessoa torna-se ainda mais sensível a sua fragilidade perante as incertezas, chegando a experimentar diversos sintomas somáticos, que ainda pioram seu sentimento de desamparo. Estes dois tipos obrigam a pessoa a procurar ajuda terapêutica, única maneira de sair do círculo vicioso  desta forma de sofrimento. O leitor pouco  acostumado  a  encarar   os aspectos menos benignos da vida humana  -como são todas as negatividades apontadas acima -   talvez se pergunte se não há um certo pessimismo em nosso enfoque. Eu lhe diria que seria pessimismo  lamentar meramente sua presença; e seria tolice tentar ignorar a existência destes fantasmas que coabitam conosco. Sustentamos que saber encará-los com tranqüilidade  e firmeza, sabendo conviver com eles, constitui o caráter autêntico da pessoa. Por último, não esqueçamos que todas estas negatividades nos levam a valorizar suas antíteses. Valorizamos a vida mais que a morte, as pequenas realizações mais  que o fracasso, a serenidade mais que a angustia, a companhia e o diálogo cordial mais que a incomunicação, o predomínio do sentido mais que o absurdo, as novas possibilidades mais que as perdas.


Emílio Romero é psicólogo clínico e professor de psicopatologia; autor de vários livros, entre outros: “O Inquilino do Imaginário - Formas de Alienação e Psicopatologia” (Lemos Editor,S.P.l996) e “As Dimensões da Vida Humana” (Novos Horizontes Editora. S. José dos Campos,S.P. l998)



Escrito por cea.craveiro às 19h48
[] [envie esta mensagem] []


 
 

Emilio Romero:

 

ENTRE A ALEGRIA E O DESESPERO: Os estados de ânimo

 

 

  O que são os estados de ânimo? (EA). Como se originam? De que maneira podemos regular e superar os estados negativos? Que critérios nos permitem determinar o caráter sintomático de um EA? Estas são algumas questões que se abordam neste livro.  

  É o clima afetivo, vivencial, subjetivo, dominante num determinado lapso de tempo, através do qual sentimos e enxergamos o mundo. Um estado de ânimo muito diferentes, como a ansiedade e o contentamento podem durar alguns minutos ou ser a atmosfera predominante de uma pessoa durante meses e anos.

  Este é um tema ainda mal estudado pelos psicólogos; tanto é assim que não existe nenhum livro em português, e tampouco em espanhol, que enfoque este tipo de vivências, tão importantes para  nosso bem-estar psicológico. Este é o primeiro livro que se publica em línguas latinas. Em língua inglesa apenas existe um autor que tem pesquisado os EA, mas desde uma perspectiva eminentemente prática, mais interessado em como mudar os estado negativos, como é a depressão e a angústia, que são as dois estados melhor conhecidos que mais afetam os seres humanos.

  Emílio Romero apresenta toda uma teoria dos estados de ânimo, caracterizando 12 destes climas afetivos segundo uma concepção  bidimensional, que permitem caracterizar quatro eixos nos quais são distinguíveis três EA bem definidos. Uma vez  desenhado o modelo psicológico passa ao segundo passo que consiste em descrever em termos fenomenológicos os EA já identificados.

  O interessante desta concepção é que cada eixo permite estabelecer uma escada gradual de estados que vão acentuando o fator comum a todos os três estados que estão nesse eixo. Deste modo no eixo do abatimento são claramente diferenciáveis o desânimo, a tristeza e a depressão propriamente. O fato de estar abatido não implica passar necessariamente ao estágio seguinte; pode acontecer se a situação e as circunstâncias pressionam nesse sentido. Algo similar acontece com os outros eixos das respectivas dimensões.

  O terceiro passo é dado pelo autor ao mostrar que no extremo dos 4 eixos, ou pólos, surge o que podemos qualificar como a feição sintomática de um EA. Seguindo o exemplo dado, no extremo do abatimento está a depressão, dando-se nela igualmente uma fase suave, média e grave; a fase média e grave  já apresentam um caráter sintomático.

O quarto passo corresponde aos fatores  que originam ou simplesmente favorecem estes modos de sentir e perceber o mundo –e assim mesmo. Por fim, o autor nos indica as vias terapêuticas para supera os estado negativos e afirmar os positivos.



Escrito por cea.craveiro às 19h47
[] [envie esta mensagem] []


 
 

MAX NOLDEN  escreve sobre questões de psicologia social:

     Os poderes invisíveis operam à luz do dia

 

Os poderes menos visíveis são vários e diversos. São poderes mais sigilosos, que preferem agir entre os bastidores, pois usam recursos e truques mal vistos, não compatíveis com a ordem moral propiciada pelo sistema social dominante. Isto não significa que os poderes oficiais, já institucionalizados e santificados, não apelem para certas maladrangens apenas dissimuladas por uma fachada de respeitabilidade.

 

  Hoje fala-se em todos os cantos dos poderes invisíveis, esses que manejam a trama do sistema social sem que o homem comum tenha a mínima consciência de como esses poderes tecem e destecem a trama segundo sejam seus interesses materiais. Alguns poderes não são nada invisível. É o caso dos poderes do Estado. Deputados e senadores fazem as leis; o poder desta gente é bem conhecido e geralmente detestado pela massa da população –não apenas entre nós, gente do terceiro mundo. O poder judicial aplica as leis segundo seja sua interpretação dos textos jurídicos e segundo seja quem receba o ditame da lei. O poder executivo está em mãos de um presidente e de seus ministros, que administram o poder em conexão com os dois poderes mencionados –conexão oscilante, feita de conflitos, técticas de todo tipo e de breves entendimentos.

  Logo estão os outros poderes, também em conexão com os três indicados. É o poder dos empresários, dos donos do poder econômico. Esses não têm reservas para mostrar como se exerce o mando e como se impõe em toda sua majestade possível. Gozam do prestígio que lhes outorga o controle do mercado e usam o dinheiro como elemento de persuação e disuação segundo seja o caso. Em termos gerais, amparam-se na lei, o que confirma sua forma de operar, mas a lei é ditada e manipulada, em medida apreciável, por eles,  Fala-se hoje que as  grandes empresas  são verdadeiros Estados multinacionais, agindo a nível mundial e impondo seus interesses às nações onde se instalam. Disfarçam em parte sua influência detrás de uma fachada de suposta respeitabilidade e bons ofícios.

  Os poderes menos visíveis são vários e diversos. Existem poderes mais sigilosos, que preferem agir entre os bastidores, pois usam recursos e truques mal vistos, não compatíveis com a ordem moral propiciada pelo sistema social dominante. Isto não significa que os poderes oficiais, já institucionalizados e santificados, não apelem para certas malandragens apenas dissimuladas por uma fachada de respeitabilidade.

  As máfias operam em todos os planos da realidade social. Apenas recebem nomes mais inocentes: são as corporações, os partidos políticos, os grupos de pressão (ou lobbies), as associações gremiais, as panelinhas. Todos estas agrupações de interesses tentam impor seu poder nas áreas que desejam dominar. É preciso se agrupar e organizar para governar.

  Quanto mais poderosos são estes grupos mais terríveis se mostram em seus procedimentos

para incrementar suas zonas de influência e de controle. As associações de caminhoneiros dominam as estradas. O lobby das Escolas e Faculdades privadas pressiona e faz acordos com os parlamentários, com lucros para ambas partes. Controlam a educação e ditam os rumos do que deve ser priorizado e valorado no plano do ensino.

  Resultado: as escolas públicas ficam de lado. Até os criminosos e traficantes se organizam para incrementar seus negócios e impor sua lei implacável.

  Preciso lembrar o que acontece nas grandes cidades, cujos setores pobres estão dominados por delinqüentes da pior espécie?

  Organizar para combater as máfias, os lobbies, sem transformar-se em outra máfia?  O triste é que os indivíduos sem grupos pagam as piores conseqüências.

 

Os Textos estão tomados do livro de Max Nolden: “Aparências e disfarces da Realidade –Para uma psicologia da suspeita” Della Bidia Editora, 2010 

 



Escrito por cea.craveiro às 19h43
[] [envie esta mensagem] []


 
 

MAX NOLDEN  escreve sobre questões de psicologia social:

 

    

Categorias sociais que nos provocam repúdio

 

E os assalariados?. Uma pequena parcela deles consegue melhorar sua situação. A imensa maioria se limita a tocar o pandeiro, entre o cansaço de uma vida sem horizontes e uma vaga revolta.

 

    Existem certas categorias sociais que nos inspiram uma espécie de repúdio imediato. Fariseu, negreiro, escravista,. mercenário, pária, marginal, delinqüente, traficante, mafioso, mendicante e, nos últimos decênios, vendedor de carros usados, animadores de programas de TV,  político –só para citar os primeiros que se penduram na corda. No Brasil, vale recordar que a categoria política caiu em desprestígio estes últimos 15 anos. Antes gozavam de uma certa respeitabilidade, pois apareciam como os opositores da ditadura, mas rapidamente começaram a mostrar o lado nada patriótico de suas motivações. A partir do governo Collor a cidadania não cloroformada pela alienação coletiva, viu muito bem que a democracia estimulava as formas mais aviltante da corrupção.

    Algo similar nos acontece quando ouvimos a palavra burguês –cultura burguesa, ideologia, atitudes, pretensões burguesas. Sob a influência das idéias socialistas, inimigos declarados da burguesia enquanto classe social, terminamos por acreditar que se trata de gente que só pensa em lucros e em como exprimir a última gota de sangue dos pobres assalariados. Não há dúvidas que existe gente assim, sobretudo na alta burguesia dos banqueiros, mas erramos se pensamos que eles são os porta-estandartes do mal, exploradores impiedosos e agentes da injustiça. Em todos os grupos humanos a qualidade das pessoas está muito diversificada: existem os bons e os ruins em grau diverso (e este não é apenas um lugar comum). Claro, quando predominam os ruins tendemos a repudiar o grupo inteiro, esquecendo a minoria apreciável. Por ser a burguesia o grupo de maior poder político e econômico são alvo das críticas mais acerbas, e com sobradas razões. No esqueçamos que no ano 2009 esta classe esteve a ponto de quebrar o sistema capitalista, sendo salvo o sistema graças à intervenção do Estado, isto é, pelo dinheiro de todos os contribuintes, desde os mais pobres até os outros ricaços.

    Na sua origem o burguês é o cidadão, o indivíduo que vive no burgo, na cidade. Esta palavra começa a usar-se a partir de século 15, designando o cidadão em contraste com o camponês e o aristocrata. Depois de três séculos em progressiva expansão, a burguesia constituída por comerciantes, empresários, industriais e profissionais liberais, habitantes das cidades, se tornou a classe dominante, derrotando à nobreza na famosa Revolução Francesa (em torno de 1800)

    Depois do fim dos regimes socialistas até os mais encarniçados antagonistas do chamado burguês perceberam que eles mesmos não eram muito diferentes de seus opositores  -se é que já não eram membros dessa classe. Depois do fim dos regimes soviéticos (no leste europeu) fico ao descoberto que aqueles camaradas gozavam de uma série de privilégios burgueses, chegando a usar todos os emblemas que diziam detestar nessa classe: belas mansões, roupa de grife, servidão. O que  aconteceria com os militantes socialistas em nosso país uma vez que cheguem ao governo?  É muito provável que esqueçam o ideário socialista.

  E os assalariados? Bom, eles não são apenas vítimas nem inteiramente desamparados do bom deus. Não há dúvidas que são explorados e que seus sonhos de passar para a classe média, aspiração muito legítima, geralmente fica nos limbos do desejo. Uma pequena parcela deles consegue melhorar sua situação. A imensa maioria se limita a tocar o pandeiro, entre o cansaço de uma vida sem horizontes e uma vaga revolta. Esta maioria  termina por aceitar o antigo recursos dos donos do poder para manter a situação: pão e circo  - sobretudo, muito circo e uma dose de  cachaça e cerveja no fim de semana.

 



Escrito por cea.craveiro às 19h42
[] [envie esta mensagem] []


 
 

MAX NOLDEN  escreve sobre questões de psicologia social:

   

Não seja  apenas um consume-dor ingênuo

 

Não esqueça uma verdade elementar do mercado: o vendedor está sempre exaltado o suposto valor da mercadoria e ocultando seus aspectos negativos.

 

    De alguma maneira todos somos consumi-dores no sistema  social imperante. Os pobres consomem menos que os ricos; parece óbvio, mas ricos e pobres consomem as mesmas coisas, embora o ricos sejam um pouco mais refinados nalguns aspectos. Todos consomem imagens da propaganda, filmes ruins, programas de TV que são simples vomitivos, pregações piedosas, discursos políticos, imagens sexuais, e outras drogas similares.

   Tudo o que se oferta no mercado é mercadoria: não esqueça este ponto.

    Há um segundo aspecto ainda mais grave. Ao virar tudo mera mercancia outros valores ficam como algo secundário, de menor ou nula importância. Se o valor de um empreendimento, ação ou coisa está determinado pelo valor mercantil –de compra e venda- então um jogador de futebol ou um cantante de boleros é mais valioso que um cientista ou um escritor laureado com o Nobel. É o que verificamos a diário vendo o destaque que faz a mídia destas figuras humanas. Se você não está na vitrine de exibição e vendas não vale nada. É um ente anônimo, ou simples consumidor.

    O problema decorre do fato que há um setor da população que vive em função do consumo, seja porque fomenta a aquisição de mercadorias seja porque as consume em excesso. Não faz bem a sua saúde mental encher-se a cabeça com tanta lixo bem empacotado. É muito tóxico boa parte do que oferece o mercado da propaganda e dos divertimentos baratos. Você termina comprando coisas supérfluas,  engolindo mensagens de aparente boa vontade mas de um fundo ilusório, enganoso.

    Procure consumir –comprar, ouvir e ver- depois de examinar o que lhe estão oferecendo. Não esqueça que o vendedor sempre está exaltando o suposto valor de sua mercadoria e ocultando seus aspectos fracos. É compreensível que ele opere desse modo, mas a você corresponde não deixar-se enganar.

    Uma boa dose de desconfiança e de cautela é bastante indicado em  assuntos do mercado. O notável é que em nosso tempo quase nada escapa à esfera mercantil. Até as coisas sagradas são comercializadas com os devidos disfarces para evitar críticas. O valor e o desvalor de uma coisa o determina a lei da oferta e a procura –a lei áurea do sistema econômico dominante. Se o escritor PC vende por toneladas seus livros passa no mercado como um bom escritor e Drumond de Andrade é visto pouco menos como um palerma que escreve versos. O primeiro é assediado pela massa, ganha espaço à vontade na mídia; Drumond deverá contentar-se com as homenagens póstumas.

    O problema é como neutralizar o assédio do mercado. Você recebe pelo menos um telefonema por dia para que aceite um cartão de crédito e corra à loja mais próxima para que realize uma de suas mini fantasias de idiota penhorado na máquina social. Compra um belo carro em 36 ou 40 prestações, sabendo que assim que termine de pagar esse lindo brinquedo que exibe hoje a loja será apenas um bagulho no final da última cota, valendo a metade de seu preço atual. Mas você cede à tentação dessa e otras  compras, pois como diz sua namorada: a boa sorte e a prosperidade corre nas rodas de um belo carro.    



Escrito por cea.craveiro às 19h41
[] [envie esta mensagem] []


 
 

MAX NOLDEN  escreve sobre questões de psicologia social:

     A cultura do consumo massivo como espetáculo  para bobos.

 

    Causa uma mistura de espanto e tristeza observar as mil formas de tolices e de enganos que circulam pelas ruelas  do mercado das ilusões. Faz um século que se fala  em cultura de massas como uma característica do capitalismo a partir do século 20. Uma das característica desta cultura é que  nalguns aspectos, só nalguns, tudo se nivela para a média, ou simplesmente para o seriado, para o feito em série, inclusive os humanos.  Não é que tenha aumentado a igualdade social, nem que todos tenham acesso na mesma medida ao usufructo dos bens. As classes dirigentes continuam com seus privilégios, embora nalguns aspectos consuma os mesmos bens que a grande massa. Ao final, eles também são uns pobres mortais, não importa as ínfulas que exibam em seus gestos, mesmo impondo sua lei e as regras do jogo à grande massa também eles se comportam como homem-massa em quase todos os aspectos, não apenas no trono.

    O supremo princípio do sistema que comanda a economia mundial, do PCC (primeiro comando do capital) é que tudo é mercadoria ou susceptível de virar mercadoria, isto é, algo factível de ser negociado e render lucros. Esta é a razão suprema que permite entender porque nos tornamos mera massa produtora e consumidora, regulada pela lei áurea do PCC.

    Nas ruelas do mercado tudo vira mercadoria de consumo rápido e descartável. Tudo perde vigência no mínimo de tempo. Basta ver como opera as informações transmitidas pela mídia. A guerra do Irak, que já liquidou em torno de 90 mil coitados, nos  últimos anos, com uma média de 50 mortos-dia. A quem lhe chama a atenção este fato tenebroso? O locutor que transmite as notícias informa esta carnificina diária em 3 minutos e em seguida passa para o casamento maravilhoso de uma artista do  Grande Circo. O velho lema romano se impõe como norma certa: pão e circo. Pode faltar o pão, mas não pode faltar o circo. Em nosso tempo nada perdura, salvo as injustiças sociais, os conflitos não resolvidos.

    Com o auge dos meios de comunicação visual -em especial a TV- as coisas se tornaram ainda piores. Com algumas exceções honrosas, os programas são montados como passatempos baratos e como escândalos entre cruéis e absurdos. O 80% segue este esquema. O 10% são noticias selecionadas de acordo com as pautas mais convenientes da política contingente. O outro 10% tem alguns elementos educacionais, além de comentários críticos. 

 

    Ver alguns programas em canais nacionais ao vivo é assistir a uma escola para gente considerada, ao parecer, no limite da indigência mental. O lema é simples: é preciso emocionar e divertir à massa. Um primeiro momento de emoção forte com uma notícia tremenda e logo o casamento de lady Diana e suas semelhantes. Na tele-série devem estar os ruins, que inspiram ódio, e os casais amorosos que provocam ternura e alguma expectação porque ainda não conseguem superar alguns obstáculos.

    É uma fórmula elementar. De resultados seguros e previsíveis.

   O pior é que os responsáveis da mídia –geralmente grandes empresários-  afirmam que é esse tipo de espetáculo é desejado pela massa amorfa; é um pobre argumento para justificar três coisas;

Primeiro, a falta de criatividade e de compromisso com o aprimoramento da mentalidade coletiva;

Segundo, tudo indica que os donos da mídia têm o intuito de manter o controle social, alienando à massa dos terríveis problemas que a condenam a levar uma vida sem destino. Terceiro, estão muitos cientes de que a melhor maneira de manter seu controle é aplicar uma fórmula muito simples: oferecer emoções baratas, muita palhaçada em forma de shows, muito sexo para todos os gostos, versões simplificadas das coisas importantes.  Para conseguir este objetivo primeiro inventam uma figura fetiche: uma pessoas muito atrativa -mulher ou homem- um artista, um cantor. Essa figura anima o espetáculo. Não importa o que faça no cenário sempre sera celebrado pelo espectador..

     Fico pensando nos jornalistas, todos eles com cursos  universitários, preparados para o respeitável ofício de contribuir na formação cultural e intelectual de seu povo e logo se deparam com o fato que a empresa impõe a linha a seguir, tudo sem maior discussão. Em que ficará o ideal desses jovens depois de constatar que a única alternativa é aceitar os esquemas de gente que precisamente não são jornalistas? Os que ditam as regras são administradores, economistas, empresários. Mas o mais lamentável é que não se aproveita o poder extraordinário da TV como instrumento de educação e de conscientização de um povo.



Escrito por cea.craveiro às 19h40
[] [envie esta mensagem] []


 
 

MAX NOLDEN  escreve sobre questões de psicologia social:

        

         As elites e as massas  

 

Nos países com maioria de pobres, como é o nosso (com mais do 50% nesta categoria) e na imensa maioria das nações, um alto porcentagem de deputados são de origem proletária ou média, mas uma vez que chegam ao legislativo ficam a disposição do empresariado,  os quais proporcionam excelentes comisões por seus bons servíços.

    

   Nas sociedades complexas como a nossa, tendem a polarizar-se dois grupos bem caracterizados: uma minoria reduzida, constituídas pelas elites, e uma imensa maioria formada pela massa da população. De maneira oficial as elites controlam todas as formas do poder, começando pelo poder econômico, terminando pelo poder que outorga a religião e passando também pelo poder político, militar e policial. Inclusive controlam o poder dos intelectuais, grupo hoje bastante restrito, quase em extinção –pois estão sendo substituídos pelos jornalistas, que são operários ao serviço da mídia e seus donos –salvo as dignas exceções.

  As massas estão formadas pelos trabalhadores dos diversos setores. Tendem a confirmar aos lideres seja por sua conduta de submissão, seja por eleições populares manipuladas pelas elites. É o chamado jogo das domocracias – fazer acreditar à massa que escolhem a seus líderes. Triste engano, mas assim são as coisas. De todos modos,  esta não é uma divisão de castas, rígida, hereditária, como acontecia com a aristocracia e a realeza  até a Revolução Russa (1917) inclusive. Uma pequena quantidade das elites origina-se entre os indivíduos da massa, como acontece com os líderes sindicais que terminam, em casos excepcionais,  como deputados e até como presidentes da República, embora este tipo de conquistas seja bastante recente (depois de 1950).

  Nos países com maioria de pobres (PMP), como é o nosso (com mais do 50% nesta categoria) e na imensa maioria das nações, uma boa porcentagem de deputados são de origem proletária ou média, mas uma vez que chegam ao legislativo ficam a disposição do empresariado,  os quais proporcionam excelentes comisões por seus bons servíços (8). Os votantes apenas dão seu voto, os empresários dão dinheiro para a propaganda e para a futura riqueza do horável parlamentário. Assim são as coisas neste plano. Assim funciona essa dama fingida chamada Democracia.   

 O notável desta divisão é que a massa também tem poder, muito mais do que seus membros poderiam imaginar, mas são ignorantes de seu potencial, ignorância em parte habilmente fomentada pelas elites, que temem uma insurreição ou contestação de seu poder exclusivo, o que implicaria na perda de seus privilégios. Só em casos extremos a massa mais humilhada e menosprezada termina por sublevar-se, como aconteceu estes dias durante o levantamento das minorias estrangeiras na Franca. (9), como está acontecendo com a população indígena de América do Sul (Bolívia, Equador, Venezuela, Perú), onde um líder identificado com essa massa decide enfrentar aos poderes tradicionais.   Ou como acontece nos períodos revolucionários de todas as épocas.

   Alguns escritores com ares de senhores, como foi o caso de Nietzsche e de Ortega-Gasset mostram um aberto desprezo pelas massas, como se eles não formassem parte deste conglomerado humano devido à excelência de seus talentos. As massas, entendidas como um conglomerado de indivíduos manipuláveis, que agem como um rebanho passivo, embora às vezes tenham estouros de fúria (como acontece hoje entre os fans de clubes futebolísticos rivais), não são precisamente admiráveis.  Em parte esses aristocráticos estão errados. Também os homens seletos compartilham algumas atitudes e a sorte das massas.  De diversas maneiras são manipulados pelos poderes dominantes, mesmo estando a seu serviço como funcionários palacianos. Basta observar um cidadão de classe média folgada é provável que manifeste um notório desprezo pelas massas, entendendo por tal a classe trabalhadora mais explorada. Ignora que ele também é trabalhador, explorado talvez em menor medida e com  propostas de vida nada seletas  -grita como um enérgumeno numa partida de futebol, bebe cerveja num boteco de melhor aparência, eructando papo furado aos quatro ventos.

 

    Para não ser um indivíduo-massa é preciso, primeiro, entender como funciona o sistema social, saber quais são seus truques e armadilhas e saber como liberar-se de seus apelos e imposições com um comportamento crítico. Segundo, admitir que nalgum grau entramos na categoria massa nas mais diversas situações, não importa quão seleto seja você. Não é tarefa fácil.



Escrito por cea.craveiro às 19h39
[] [envie esta mensagem] []


 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]  
 
 

HISTÓRICO



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!